domingo, 30 de julho de 2017

Pôr do Sol

Ei-lo
Descendo forte
Imponente
Brilhando altivo
Caminhando para o oculto
Alinhando com a linha do horizonte
Escondendo-se sob o mar
culto, Odoyá
Um espetáculo de fronte
Sentado nas Pedras do Arpoador
E o som ensurdecedor das palmas
Vindas do nove de Ipanema
Embalados no balanço da garota que passa
Que ilumina os versos do maestro
Do poeta
Com a bênção de Xangô
E o brilho de Oxum
Que revitaliza, fazendo escurecer
Abre passagem à ela
Lua, de Ogum, acompanhada e soberana
Palco negro repleto de estrelas
Vejo

Espetáculo a contemplar

sábado, 10 de junho de 2017

Rosa


Ei-la
Que não a morena de Caymi
Rosa vermelha
Como o amor de Melodia
Avistada na hora tardia
Que nasce e renasce
Protegendo o habitar
Flor pomba
Que abre a gira
Que traga a oferenda
A lhe dar
Já aberta
Gargalhada histérica
De ouvir sem escutar
Rosa vermelha
Que nasce linda no jardim
Que protege meu andar

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Saia

Sorriso que mergulha no terreiro
Ao som do tambor 
Nem branco nem negro
Um sorriso
Que roda
Saia da moda
Entra na roda 
Hora de umbigar

Mergulho eu de ti
Faz sorrir em mim
De ver a saia rodar
Não saia
Hora de umbigar

Pode Ficar

Se eu morrer não chore por mim
Porque eu vou na fé sem olhar pra trás
Desse mundo nada levo
E nem quero levar
Pois nele já não creio mais

Me disseram que desse mundo nada se leva
E quem disse que eu quero levar
Me disseram que desse mundo nada se leva
E quem disse que eu quero levar


Quero deixar para trás a minha história 
Podem ficar até com as vitórias
Para saberem que eu soube lutar
Mas desse mundo eu nada levo
Nada quero levar
Quero meu corpo vestido pra sair
Mas é despido que lá vou entrar
Chego onde não sei  quem sou
Mas daqui nada espero
Mas daqui nada quero levar
Pode ficar
Pode ficar

( Alexandre Nadai/ Sula Mendonça)

Meia-Noite

Caminho pelo labirinto 
Desço as escadas 
Entro na sala escura
Pessoas que não conheço 
Eles falam
Eu ouço 
Eu falo
Me ouvem 
Canto, cantam comigo 

No cinema antigo
Em algum lugar 
Escrever é um alivio ao falar
No eclipse da madruga
Chopp gelado
Um brinde, um papo
Vivo
Meia-noite no Rio
Não é tão diferente de Paris 
Basta achar seu lugar

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Menina de Oyá

Diga linda cigana
Como fazer essa saia rodar
Tens o brilho de Oxum
Mas és meninas de Oyá

Esse brilho nos teus olhos, vê a alma quem sabe olhar 
Ser formosa não é culpa
É razão pra admirar 
Como o sol contempla a lua 
Sem desfrutar o seu luar

Não diz que me engana
Me diga cigana 
O que te faz  voar
Sua asa é de lenço
A girar pelo vento
Mas quem manda no tempo
É menina de Oyá

Aquela flor que se perdeu
Se avoou
A beira mar
No bruma adormeceu 
Pois és menina de Oyá

(Alexandre Nadai/Sula Mendonça)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Penar

Penso em ti
Quero falar
Me abrir 
Mostrar a ti
Que só em ti está o meu pensar 

Prolixo 
Até paradoxo
As palavras parecem sem nexo
Nem eu me convenço de ti gostar 
Então,  como convencer-te
Como mostrar 
Mostrar-me
Sem a ti afastar

Confusão do eu 
Que culpo a ti
Esse momento de penar

Tem gente que gosta!!!